Inteligência artificial acaba com o trabalho dos advogados e profissionais do direito ou facilita suas rotinas?

Cada dia que passa a inteligência artificial voltada para a área jurídica traz novas soluções para problemas rotineiros desse setor. Aos poucos as atividades braçais e com pouco engajamento intelectual do profissional do meio jurídico passam a ser realizados por inteligências artificiais.

Exemplo disso é o Tribunal de Justiça de Pernambuco que começou a utilizar a inteligência artificial para melhorar o ajuizamento de execuções fiscais. Vejam que normalmente esses processos fiscais são realizados quase que de forma massificada pelas procuradorias municipais e estaduais, deixando de analisar vícios comuns como grandes lapsos temporais entre a inscrição do crédito tributário até o seu ajuizamento, o que geraria a prescrição. Dessa forma, o tribunal utiliza a inteligência artificial para verificar essas condições e em diversos casos já apontando a prescrição e impossibilidade de prosseguimento dos processos.

Essa análise evita uma grande quantidade de gastos do Estado e do próprio contribuinte, seja pela condenação em honorários que Estado irá pagar em face da prescrição ou na desnecessidade de contratação de um advogado pelo contribuinte apenas para resolver essa pendência pontual.
Indo ainda mais além, os escritórios de advocacia estão utilizando essas inteligências artificiais para reduzir a quantidade de horas despendidas com trabalhos meramente braçais e, assim, focar em produção intelectual. Um bom exemplo disso é a utilização dessas soluções para análise de testemunhas em um determinado processo e a identificação de pontos contraditórios entre depoimentos atuais e anteriores, consequentemente, proporcionando que o advogado possa demonstrar eventual falta de credibilidade da versão narrada por uma das partes. Antes um trabalho como esse poderia levar diversas horas de trabalho dedicado exclusivamente, agora pode ser reduzido a um curto período de tempo e encontrar informações que muitas vezes sequer eram alcançadas.

E por fim para aqueles que dizem que essa tecnologia irá substituir o trabalho do advogado, podemos dizer que em parte o advogado robótico perderá espaço à verdadeira máquina, mas em compensação aquele que busca a produção técnica terá grande incremento em sua rotina, até mesmo os estagiários que antes eram bombardeados com tarefas maçantes e
administrativas poderão ter um desconto com a IA, proporcionando a eles tempo para construção de seu aprendizado nos escritórios, além de propiciar uma ajuda muito mais efetiva aos advogados.

Ravi Petrelli Paciornik