Dicas para a sobrevivência de uma startup na COVID-19

Dirigir uma startup não é uma tarefa fácil para ninguém. Normalmente operando em um mercado de incertezas e disrrupção com ideias novas ainda não validadas no mercado pode desafiar qualquer um.

Em tempos de crise a dificuldade passa a ser a sobrevivência em si da empresa por qualquer meio que seja possível e aceito.

Durante a crise de 2008, startups passaram por um momento de crise parecido e com base nessa experiência anterior separamos algumas dicas que podem auxiliar as empresas que enfrentam a atual crise.

1. Redução da queima de caixa interno

Durante uma crise econômica como a que estamos passando, o dinheiro é a fonte de combustível para uma startup, como os modelos dessas empresas visam o escalonamento de sua atividade para assegurar o mercado e após isso passar a dar um retorno viável, com o esgotamento das reservas de dinheiro, esse processo estaciona e a empresa é forçada a encerrar suas atividades.

Assim reduzir essa queima de caixa é extremamente importante, fortalecendo suas reservas de dinheiro. Para que isso seja possível, diversas formas podem ser utilizadas, as quais basicamente consistem em uma revisão da base de custos de cada empresa e ver onde pode ser “enxugado”.

Alguns exemplos disso são, a redução da remuneração dos administradores ou reinvestimento direto no caixa da empresa; postergação no pagamento de tributos, o que pode ser realizado conforme permissivos legais; adiantamento de férias de empregados; busca de um emprego paralelo pelos gestores para uma renda extra e até mesmo em casos extremos a redução da folha de salários; e redução de pagamento mensais com sistemas de gestão e consultoria.

Vejam que temos aqui um quantidade vasta de formas de cortes de custos, os quais devem ser devidamente avaliados por cada gestor conforme a situação fática de sua empresa.

2. Aumente a entrada de caixa

Além das medidas de redução de custo de um lado, deve ser analisada também as formas de aumento de caixa pela entrada de rendimentos, captação de recurso e não apenas com cortes de custos. Assim listamos algumas das formas para fazer isso.

a) Aumente o fechamento de vendas

Essa medida funciona para aquelas empresas que já tem um produto no mercado e que não esteja afetado pela pandemia, foque na venda desse produto. Existem casos em que startups fizeram a realocação de times inteiros para vendas, incluindo seus diretores e assim maximizaram os seus recebimentos.

b) Pagamentos adiantados

Uma outra possibilidade é pedir ao cliente o pagamento de pelo menos uma entrada adiantada, dessa forma, a empresa garante um valor pelo produto ou serviço prestado. Isso ajuda muito para evitar a espera dos pagamentos parcelados, uma parcela à vista e o resto pode ser parcelado, garantindo assim pelo menos uma parcela de entrada de capital imediata.

c) Inicie consultoria ou outras atividades para gerar receita de curto prazo.

Se o seu produto ainda não estiver em um estado vendável, existe a possibilidade de realizar serviços de consultoria para outras empresas e na área que sua startup atua. Isso pode lhe dar o tempo necessário para sobreviver à crise.

d) Venda de bens da empresa

Analise todos os bens que não são de primeira necessidade e avalie a possibilidade de vendê-los ou alugá-los mensalmente, não trará grandes retornos, mas pode trazer uma pequena renda extra mensal.

e) Competições de startups

Participe de todas as competições de startups que tenham algum prêmio em dinheiro, além de especializar seu time nas resoluções rápidas de problemas poderá trazer visibilidade, aumentando vendas e claro dinheiro do prêmio.

f) Bridge Round investment

Se a startup já possui investidores ou não a realização de um Bridge Round de investimento é uma saída. Isso nada mais é que uma rodada rápida e menor de investimento, utilizada normalmente para manter startups em early stage funcionando até a realização uma rodada serie A de investimento, contudo, em tempos de crise pode-se utilizar esse Bridge Round como forma de sobrevivência pura e simples.

g) FFF

O famoso Friend, Family and Fools (Amigos, Família e tolos), também é uma forma realizar uma rápida arrecadação de dinheiro e normalmente a custo baixo e com possibilidade de longos prazos para pay-back.

h) Investimento coletivos

Uma alternativa também, é buscar plataformas como Kickstarter e crowdfunding para angariar algum investimento externo, nesse caso há um pouco mais de burocracia que o FFF, mas também pode representar uma forma rápida de angariação de capital.

i) Crédito Bancário

Podem ser mais difíceis de conseguir diante da crise atual e da instabilidade financeira da startup, contudo, no Brasil em meio a crise supostamente teríamos taxas mais acessíveis para obtenção de crédito, o que pode resultar em uma forma mais rápida e até menos custosa em comparação aos venture capital e equity investments.

O ideal de todas essas medidas é a organização de forma conjunta que melhor adeque-se ao dia-a-dia de cada startup, utilizar todas elas de forma simultânea poderão ser tanto boas quanto ruins. Depende exclusivamente da análise de cada gestor. Apesar disso, o importante para as startups é realizar as medidas necessárias para sobrevivência e superar a crise.

Ravi Petrelli Paciornik